sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Cosa Deles - 3

A Federação Polaca de Futebol (PZPN) já tem presidente e chama-se Grzegorz Lato, aquele que é considerado com o melhor futebolista polaco de sempre.

Poland_Lato_1978_L Lato é um exemplo do que se tem visto ao longo da Europa no que  diz respeito ao dirigismo desportivo, nomeadamente no futebol. Os antigos praticantes, apaixonados pelo jogo, decidem servir o desporto-rei através dos seus conhecimentos e experiências adquiridos ao longo de anos passados dentro das quatro linhas. Tal como Platini na UEFA ou Beckenbauer na Alemanha, Lato representa uma nova classe de dirigentes que não provêm das universidades de direito mas que saem direitinhos dos campos de futebol. Estes novos dirigentes penduram as chuteiras, tomam o seu duche, vestem a gravata e pegam na pasta dos documentos para ocuparem gabinetes decisórios e deliberarem sobre o futuro do futebol mundial.

Há muitas esperanças depositadas em Grzegorz Lato e os polacos esperem que ele brilhe à frente da Federação como o fez em 74 na Alemanha, quando se sagrou melhor marcador do Campeonato Mundial de Futebol. Há uma grande ilusão em torno do seu consulado pois pairam nuvens negras sobre a organização do Euro2012 devido à decisão do governo ucraniano em suspender os investimentos relacionados com o Torneio e a Polónia conta com o rigor do antigo jogador do Stal Mielec, considerado "de betão" por não ser influenciável. Lato contou com a maioria das associações distritais para ganhar as eleições e tratou de segurar Leo Beenakker como seleccionador no seu primeiro discurso como presidente eleito para que as especulações sobre a posição do holandês cessássem. Uma prova do seu carácter e um sinal de serenidade para que se trabalhe em paz.

2d1b417724301cb8c667c356f01b5a15,5,1 É uma nova página da história do futebol polaco, a devolução do  futebol aos futebolistas é um fenómeno global que verifica-se nas diversas latitudes da Europa. Em Portugal é com tristeza que verifico a incapacidade de regeneração dos dirigentes desportivos com a perpetuação das raposas que sempre denegriram a credibilidade da bola nacional. Vejo com optimismo a promoção de Rui Costa a administrador da sua SAD, espero o mesmo a Vítor Baía, tenho esperança que Paulo Sousa ou Luís Figo assumam um papel mais preponderante no seio da FPF. Basta de dirigismo sombrio e batoteiro, na Polónia já se aperceberam disso.

4 comentários:

Zé da Bola disse...

Concordo contigo a 100%. Como adepto de futebol ando um pouco farto de certos tipos que andam a brincar ao dirigismo no futebol português e mundial. Servirem-se do futebol para sei lá quê que façam isso no Calor da Noite que o futebol precisa é de sossego. Em Portugal ainda vai demorar mas espero que menos do que penso.

baranito disse...

como se diz ppor terras algarvias, nada como um pescador para conhecer o peixe, ou melhor cada macaco no galho correspondente...assim é no futebol! nada como um jogador para sentir multidoes, sentir balnearios, sentir colegas e estadios...sentir a essencial especial e principal de um jogo chamado futebol...
sou admirador confesso de os ex. jogadores comandarem o rumo do futebol (jogadores inteligentes e com nivel) so eles poderam trazer de volta a mistica, a emoçao e as decisoes (quer estas sejam boas ou mas) em prol da evoluçao da modalidade.

bruno claudio disse...

gostava de saber o que jogadores como o oceano, paulinho santos ou joao pinto podem trazer de benefico ao futebol portugues. o jogador da bola é um individuo limitado á parolice. basta ver o rui costa e o vitor baia.

Anónimo disse...

We see what happend...soon....

fanka....