terça-feira, 7 de outubro de 2008

Venha mais um!

A minha vida é como se me batessem com ela - Fernando Pessoa

O Outono traz sempre cores diferentes. O verde vivo do Verão é substituído pelo dourado das folhas caducas e o azul do céu torna-se cinzento para que a chuva miudinha possa cair sem surpresa. A temperatura desce consideravelmente e passam-se estes primeiros dias sempre com sono. É altura de tirar a roupa mais quente da arrecadação e guardar t-shirts e calções.

O Outono marca o final da minha estação preferida, o Verão de todas as loucuras e festas, de todas as extravasões de energia, das hormonas em flor, das baterias carregadas de dia para estourar de noite. Este foi o meu primeiro Verão sem mar, sem prai29062008a, sem peitada, sem moços à do Vitinha / Fava nem no Columbus, um Verão muito diferente mas igualmente intenso que recordarei com muita satisfação. O Verão de Varsóvia tem encantos inimagináveis que escondem-se na sombra dum piquenique no Saski e exibem-se quando me estendo na relva do Łazienki  ao ouvir um soberbo Chopin tocado ao vivo. Torci o nariz ao ouvir que a época estival na capital polaca poderia ser interessante, julguei inconcebível a idéia dum Verão sem areia nem água salgada, sem minis nem bikinis. Planeei mil itinerários para fugir à secura de Varsóvia e regressar a banhos de sol algarvios mas, por ordens do destino, fiquei por cá. E em boa hora.

Agora relembro as noites de cerveja no Frascati a ver Portugal no Euro2008, as maratonas do Klubo que terminavam num amanhecer em Ursus, Filtry ou Nowolipki, os violentos pés-de-água que ensopavam o povo que não tinha por onde fugir depois de serem apanhados pela costumeira tempestade das 18:00, os gelados lambidos com demasiada sofreguidão por estarem demasiado perto das05092008 minissaias demasiado curtas das polacas demasiado perfeitas, os passeios de bicicleta por Praga e Wilanów, as festas em Powiśle à beira-rio, o mar louro na noite de Varsóvia.

Foi um Verão altamente numa cidade altamente. Se puxar a cassette mais atrás recordo que perto das 0:00 do dia 7 de Outubro de 2007 eu cruzava a fronteira germano-polaca em Görlitz / Zgorzelec, chegava por fim ao país que me adoptaria (pelo menos) um ano.

É Outono. Recordo o Verão e o último ano. Foi altamente e espero que assim continue.

2 comentários:

Zé da Bola disse...

Realmente é preciso gostar de Varsóvia coisa que ainda não consegui razão pela qual só vou mesmo por necessidade.
Já agora parabéns pela resistência em solo Polaco. Não é fácil mas também não é impossível.

Anónimo disse...

Que saudades :) Troca comigo!
bjs
Kandi