segunda-feira, 22 de agosto de 2011

(Eu tenho) Dois Amores

A minha Ria E de repente o vento e a chuva, a humidade e a baixa de temperatura. O sol de verão morno parece ter medo destes brutamontes climáticos e escondeu-se atrás das nuvens à espera que os rufias desapareçam de cena. Entretanto já a minha garganta pagou por isso: Tosse matinal agravada por um cigarro nervoso chupado enquanto assistia às diatribes do meu clube. É um sinal inequívoco que o (meu) verão está a dar as últimas.

Um mês depois de ter voltado a Faro é época de saudar amigos e parentes, dar um “até dezembro” aos que cá deixo e preparar a viagem rodoviária (a terceira no currículo) até Varsóvia, escolher objetos que fazem lá falta, triagem larga porque, felizmente, larga é a bagageira do carro. Azeite, cds, lembranças, chouriços e uma cataplana entre outros itens fazem parte do espólio a transportar para a Europa eslava, cozinhados algarvios que se querem mais frequentes naquele fogão em Natolin. Os últimos mergulhos atlânticos são queimados, os últimos banhos de sol apanhados, não há bem que sempre dure.

À medida que o tempo passa vou afinando azimute e diapasão para o cenário diferente da Cidade Capital, outro discurso e outra postura,Cidade Capital asfalto em vez de areia, vodca em vez de minis, neve em vez de sol, prédios em vez de dunas. Assim são os meus fins de verão desde há quatro anos, sempre a lamentar o que cá fica e não posso levar comigo, a saborear o que dancei, aqueles que abracei e com enorme expetativa no que D. Varsóvia preparou para mim durante a minha ausência. Sempre curioso, sempre entusiasmado, sempre pronto para o que der e vier.

Sempre dividido, afinal, entre os meus dois amores: a Ria e Varsóvia.

2 comentários:

Rui disse...

Granda Sovi!
Pois é, estas questões da vida de um homem...
Eu tb cá estou já em Freiburg, mas ainda volto para mais uns diazitos em setembro e aproveitar para rever o amigo Xendo com o seu Alejandro. Abraço e vamos falando...

hhj disse...

Oi, meu nome é luiz, sou estudante de ciencias da computação, meu sobrenome é Kultzak por um erro no cadastro do meu avô em um cartório local, mas temos a mesma origem, meu bisavo tem o sobrenome kulczyk. Moro em Ponta Grossa no paraná, Brazil.