terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Metugassexuais

Madrugada alta de Sábado, uma mistura de portugueses e polacas senta-se à mesa dum bar para comer alguma coisa após uma noitada dançante. A conversa decorre amistosa, diversos temas são abordados e as diferenças culturais são denominador comum em todas: Porquê a Polónia? O que mais gostamos e menos aturamos? As diferenças? O trivial que nos é perguntado com a surpresa de quem vê imigrantes naturais de tão belo país estabelecerem-se nas suas terras obscuras e que já não vai sendo surpresa para nós. A todas as curiosidades fomos satisfazendo com respostas pacientes e divertidas até que a conversa derivou para um assunto bizarro e que ninguém conseguiu explicar como diabos fomos lá parar: Metrossexualidade.

O conceito "metrossexual" surgiu nos anos 90 da junção de "metropolitano" com "heterossexual" e define um homem que revela um especial cuidado com a sua aparência e imagem, gastando para tal grandes quantidades de tempo e dinheiro. Esta concepção dum homem urbano cheio de mariquices fez muita confusão na cabeça das nossas interlocutoras, de tal forma que tivémos de desmistificar muitas ideias que à comum das mulheres polacas poderão ser assombrosas mas que para muitos comuns portugueses acabam por ser gestos quotidianos, comuns e automáticos.

  • Usar cremes hidratantes e produtos específicos para a higiene da pele - Não necessariamente o after-shave mas um anti-rugas, um revitalizante e até mesmo um contorno de olhos. Junto a este pacote o esfoliante facial, a espuma de lavagem do rosto e penso que não estou a exagerar. Na prateleira da casa-de-banho dum homem moderno vêem-se estes produtos com a mesma naturalidade que se vê um notebook na sala duma mulher executiva, julgo eu. Se tratamos do sorriso com produtos próprios (pastas, géis, elixires, fios dentais, etc.) porque não fazê-lo no resto da imagem física?
  • Depilação das zonas púbicas - Da mesma forma que um homem gosta de ver uma vagina arranjadinha e cuidada (pelo menos este homem gosta), uma mulher também dispensa penugens exageradas. Este tipo particular de vegetação não é considerado reserva natural, o desbaste é permitido e até encorajado por vários motivos. Por questões de higiene pessoal, por questões de estética, por questões de conforto. Há menos odores desagradáveis e menos riscos de desprendimento de pêlos incómodos nos momentos em que toda a concentração é exigida. Não cabe na cabeça de ninguém abrir o presente e encontrar um farfalhudo Sandokan ou uma Rapunzel de carapinha, vade retro!
  • Tratar das unhas e cutículas - As mãos revelam muito do carácter das pessoas, as unhas devidamente limpas e tratadas revelam um homem que se preza. A manicure deixou de ser um mimo exclusivamente direccionado às mulheres para ser um ponto de encontro macho, homens que querem evitar o embaraço de segurar na delicada mão feminina com os seus dedos descascados, peles eriçadas, panarícios infectados, crostas encarnadas ou cabeças de dedo disformes com unhas roídas até ao sabugo. Importantes documentos são assinados, cumprimentos decisórios são efectuados, gestos marcantes são feitos, primeiras impressões são criadas com as mãos. Nada como mantê-las em óptimas condições.
  • Definição dos pêlos visíveis a olho nu - Refiro-me às sobrancelhas, cílios nasais, pêlos do ouvido externo. O camarada Cunhal era um homem de convicções fortes e só nesse contexto se explicam as suas sobrancelhas hiperpilosas. Um sobrolho à Cantona também não dá ares a nada a não ser que tenhamos um ganda fio de ouro com o cérebro da corvina ao pescoço dum peito semelhante ao pinhal de Leiria. Feio é também ter ramos de hortaliça pendurados nas narinas ou uma mancha escura na concha do ouvido, dá a impressão de ser difícil respirar por aquelas ventas ou de não se ser capaz de reter um nome ou número de telefone porque as palavras não conseguem romper aquela barreira vegetal. Já agora, um toquezinho nas axilas também não era mal pensado.

Não entrei na questão das marcas de roupas e sapatos porque isso seria entrar num capítulo de preferências pessoais. Nem toda a gente gosta de roupa laranja ou ténis cor-de-rosa como eu gosto, mas concluiu-se que o homem português (pela amostra daquela mesa) ciuda-se. Já não é o macho lusitano que cheira a cavalum, que limpa a cera dos ouvidos com a unhaca, que pinga espuma de cerveja pelo bigode, que coça os gomos sem escrúpulos e que tem barba até aos pés. O espanto das nossas amigas ao ouvir os nossos relatos de hábitos corporais fez-nos acreditar que estamos no bom caminho e que - aparentemente - contribuímos para a melhoria (na minha modesta opinião) da imagem que os portugueses têm perante os polacos, polacas neste caso. Elas nunca tinham "ouvisto" falar de um par de tóinos barbeados, camano! Não conseguiram imaginar o toque dum escroto com pele de bebé cheirando a CKone, por exemplo. q:D

Será paneleirice? Será palhaçada? Será mariquice ou sinal de moleza? Como tudo na vida, há quem concorde e quem não o faça, contudo e de certeza, a partir daquela noite a vida não será mais a mesma para aquelas almas que se sentaram conosco à mesa do Lemon. Imagino o que iria naquelas cabecinhas a caminho de casa...

ps - Tive mesmo para comprar um portátil cor-de-rosa. Só não o comprei porque teria de gastar imensa saliva para convencer a gente que o hábito não faz o monge.
Vem branco, também serve.

10 comentários:

Zé da Bola disse...

Pois eu direi preocupar-se demais com a imagem não nos leva a lugar nenhum. Boa imagem sim mas nada de exageros. Daqui a nada andam por aí muitos Condes. Preocupem-se mas é de serem bons rapazes e essas paneleirices deixem-nas para os paneleiros.

Ricardo Taipa disse...

Basicamento o que diz o Ze da Bola fe o que penso sobre este assunto.

No meu caso o maior cuidado de higiene que tenho é tomar banho todos os dias e lavar os cabelos quase todos os dias, de resto... bem... cremes? Não. Balsamo? Não. Unhas? Sem tratamento. Sobrancelhas? Bem... confesso que corto a parte central para não parecer a águia Sam... Desodorizante? Sim, sempre!

E sim, também gosto do bigodinho à Hitler por vários motivos, não só pela razão estética, mas este tipo de tertúlias só em privado... :)))

bruno claudio disse...

no fim desta conversa "moderna" (para nao dizer apaneleirada) o gajedo foi sozinho para casa.. e o garanhao tuga? foi de rapar os entretatos e comprar gel facial? na minha terra diz-se de um modo simpático - PANELEIROS !!

Geraldo Geraldes disse...

Amigo, os comentários aqui expostos são o retrato do português. A minha solidariedade para contigo. De cada vez que alguém evolui e faz algo diferente, desatam logo a atirar pedras :). Cá para mim, ainda devem fazer como o Napoleão, mas agora através de uma sms para a namorada/esposa: "querida, estou a chegar. Não te laves!".
Agora acho bem que tivesses posto o travão na parte do computador cor-de-rosa (se bem que já muito macho usa a camisa cor de rosa). Ser vanguardista é uma coisa, mas demasiado já é maluco.

PM Misha disse...

como eu disse anteriormente, quem quiser fá-lo e quem não o quiser não o faz. o que não faltam é bichas com ares muito mais masculinos que a maioria dos heterossexuais que conheço. o acto de rapar os pêlos das virilhas é, na minha opinião, tão apaneleirado como passar horas em frente a um fogão preparando um foie-gras.

geraldo, é um pouco isso, sabes? a diferença assusta muita gente, ser igual é estar no lado correcto. já há muito tempo que cago de repuxo nessas opiniões e tipo de gente.

o cão ladra, a carroça passa q:)

PM Misha disse...

ps - em lado nenhum do texto se lê que elas foram sozinhas para casa...

Paulo Soska Oliveira disse...

Caga la mas e no pessoal do contra e ve se emborcas umas por mim ai por esses lados :D

Um abraco

bruno claudio disse...

epá, um gajo já nao pode mandar umas piadas.
prontos, ficam aqui as minhas desculpas aos ofendidos.

Anónimo disse...

Esta subtileza está demais: "(...)Não conseguiram imaginar o toque dum escroto com pele de bebé cheirando a CKone, por exemplo. q:D
(..)". Não conseguiram imaginar, não foi?!... Isso cheira-me a prova dos nove ;-)

Anónimo disse...

Não admira. Os homens polacos parecem uns grunhos. E elas tb para se depilarem é um martírio. Mas o tuga tb está longe de ser tão cuidado como o descrito no seu texto.