quarta-feira, 29 de abril de 2009

O PIT - IRS polaco

PIT Tal como em Portugal, nesta altura do ano anda meio mundo ralado com a entrega das declarações de impostos. Na Polónia também estamos na temporada dos Podatki e por todas as ruas se vêem pessoas carregando os impressos do PIT para entregarem nas repartições de finanças. A malta mais modernizada trata destes assuntos pela internet mas eu não o posso fazer devido a imperativos burocráticos: Eu estive registado em Tychy até finais do ano passado e a minha transferência de residência para a Cidade Capital implica o preenchimento dum formulário extra, a respectiva entrega em mão própria e uma aturada e pormenorizada explicação da razão dos meus quatro apelidos, que já não estou registado na casa dos pais da minha ex-namorada, que vivo e trabalho em Varsóvia na "freguesia" de Ursynów. Tarefas de caracacá para um letrado em filologia polaca como eu!

Munido das papeladas que julgámos as necessárias e suficientes, eu e o compadre Marinho abancámos à secretária para desbastar a tarefa hercúlea de decifrar todas as designações oficiais de cada campo do impresso. Palavras de 20 letras e 16 consoantes pareciam ralhar conosco por parecermos tão ignorantes a olhar para elas, as designações assustam, os S e C com acentos gráficos, as declinações, os cálculos, muito trabalhinho pela frente. Depois de 2 horas resolvemos fiar-nos na intuição masculina e decidimos que os impressos estavam devidamente preenchidos pelo que passámos à 2ª fase do plano: O Urząd Skarbowy (a Repartição de Finanças).

Passámos primeiro pela repartição do bairro onde o Mário mora e  surpreendemo-nos com a ligeireza do processo pois só fomos mal aconselhados por duas vezes e urzad_skarbowyem nenhuma delas nos perdemos nos corredores do edifício (nem da burocracia). Ainda deu para presenciar um princípio de pancadaria entre uma mulher que saíu esbaforida do gabinete de entrega de declarações e que se pôs aos gritos de "Kurwa papierze, pierdole wszystko!" enquanto outra a mandava calar por estar a escrever nos seus documentos. A conversa azedou porque a primeira não se queria calar e cada vez praguejava mais, a segunda ameaçou qualquer coisa ainda em tom delicado, a primeira tornava a praguejar entornando "kurwas" entre meias palavras e um homem gordo teve de intervir, também a toques de "kurwa" mas mais graves, para que o festival terminásse. A fila avançava serena e algo rápida.

Finalizada a primeira entrega combinou-se a minha papelada para a manhã seguinte, 9:30 na repartição de Ursynów. Afinou-se o discurso de "ai e tal, a senhora sabe... ele é português e já não mora na Silésia. Temos aqui o impresso da transferência de morada mas se puder aceitar logo a declaração... a senhora veja lá..." O que é verdade é que a coisa correu lindamente, aceitaram este português como residente em Ursynów mesmo sem estar registado e os meus impostos foram declarados como manda a lei.

Comentei o episódio com amigos polacos e todos se espantaram com a nossa desenvoltura no manejo deste tipo de papelada. Para que o leitor perceba a dificuldade da empreitada, saiba que a grande maioria dos meus conhecidos dão as declarações para as mães ou amigos contabilistas preencherem por não terem paciência ou mesmo cabeça para lidar com isso. Para mim e para o Mário, preencher o PIT foi mais um exercício de auto-suficiência neste país que foi superado com distinção. Próximo passo? Candidatura a Câmara Municipal, naturalmente!

2 comentários:

Zé da Bola disse...

Bravo... o desenrascanço funciona. eu tive de dar o papel a outras pessoas. Se fosse português, inglês ou francês faria o meu e de quem quizesse mas em Polaco nada feito. Tá difícil aprender esta língua tramada.

Ricardo Taipa disse...

Chissa penico. O PIT para mim é um verdadeiro quebra-cabeças. Ao menos não precisamos de escrever nada com declinação! lol