terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Faça favor...

Definir o polaco típico é complicado. Fácil é definir o tuga típico, o americano típico, o alemão típico, o brasileiro típico, o inglês típico mas o polaco típico é o cabo dos trabalhos.

A tentação inclina-me para o rosto redondo e rosado, cabelo louro ralo, olhos azuis fundos, bochinha dilatada pela sempre presente lata de Lech na mão e ordinário como um sargento de cavalaria mas para ser honesto não posso classificar a maioria da população masculina neste segmento. Há muito polaco com categoria na vestimenta, com nível na postura e fundamentalmente com maneiras e etiqueta. Aqui encontramos provavelmente o homem mais educado do mundo, o polaco.

É absolutamente impensável um polaco abrir uma porta dum prédio ou dum elevador e entrar em primeiro lugar, ele certifica-se que toda a gente passa à sua frente e convida se hesitações houver. Não se concebe a imagem dum polaco sentado no autocarro ou no elétrico com uma senhora (ou menina) em pé do seu lado, eles desfazem-se em delicadezas ao cumprimentar o sexo oposto e observam milhentas regras de comportamento e protocolo à mesa. Uma amiga polaca contou-me que os homens polacos são como as mulheres devem ser: Bem-educados, delicados, finos. Uma outra amiga, cubana e doida varida - passe o pleonasmo - registrou em forma de queixa que tanta fineza delicodoce também faz dos homens polacos um tanto enfadonhos e previsíveis além de que alguns aspectos culturais também contribuiem para essa imagem aborrecida.

Eu já interiorizei alguns gestos como o de segurar a porta à passagem das pessoas, o que até enobrece e melhora a nossa educação cívica, mas hoje vi o reverso da medalha quando ao entrar num edifício reparei num senhor que também queria entrar. Imaginem o tuga e o polaco à pega na rua, -7º C com o raio que parta este frio e ninguém queria dar parte fraca a entrar primeiro... Havia de ser na minha terra!

4 comentários:

Anónimo disse...

http://i83.photobucket.com/albums/j286/h5forem/warsaw0.jpg

Ricardo Taipa disse...

Andava a pensar em abrir um Post acerca dessa questão dos homens polacos pois também já reparei no modo fino que alguns mostram.

Aquele beijinho na mão, o pegar no casaco da senhora para a ajudar a vestir-se, o tal segurar a porta e por vezes o abrir a porta do carro a senhora antes de entrar etc são hábitos culturalmente bem enraizados em muitos polacos.

Claro que, como em todas as culturas e povos, existem sempre os casca-grossa que na "Wersja Polska" são os cromos que andam de cerveja na mão esquerda e cigarro na direita, capelo rapado tipo tropa e no Verão com sandálias e meia branquinha - suja e cholezenta.

Recordo-me de uma portuguesa que não resistiu aos encantos de um polaco bem educado, bem vestido, limpo, bem perfumado e culto.

Os "Homos Lusitanus" não têm, na sua esmagadora maioria, a noção do que é galantaria e nem nos piropos sabem ser elegantes.

Geraldo Geraldes disse...

Eu por mim faço sempre questão de abrir a porta para uma donzela e deixá-la passar primeiro....para avaliar o rabo obviamente. Se for um trambolho, adopto a postura nórdica, somos todos iguais e quem chega primeiro entra e se ela tem mãos, que abra a porta também.

Rui Vilela disse...

Os polacos não abrem a porta a toda a gente (gente inclui homens). Só às raparigas ou velhinhos. Habitualmente cedem o lugar aos mais velhos no autocarro e eléctrico.

Estou a sair de um edifício e vem a entrar um polaco de meia-idade, ele desviou-se? Não. Atropelou-me! E olha que eu também sou grande :).