domingo, 6 de janeiro de 2008

Retalhos da vida dum Algarvio - Parte 4

A História da Polónia é fértil em conflitos armados muito por causa da sua posição geográfica. Estar situado entre duas potências como a Alemanha e a Rússia /URSS sempre foi problemático para este país e colocou-o ciclicamente em guerra. Daí haver uma História de Guerra muito rica na Polónia devidamente documentada em muitas séries televisivas diárias ou nas produções cinematográficas que versam episódios de batalhas épicas na vida da Nação. O Polaco é patriota e orgulhoso do seu passado de resistência

Esta familiaridade com a Guerra faz dos generais polacos figuras de grande importância, pessoas veneradas e a que se presta culto quase constante. Desde a Insurreição de Novembro de 1830 até aos últimos dias do Socialismo, passando pelas Grandes Guerras e a Revolta de Janeiro de 1863, os generais da Polónia desempenharam papel valoroso na consolidação da nacionalidade e cultura polacas. Foram inúmeras as tentativas alemãs e soviéticas de diminuir ou eradicar a inteligência polaca, quer pela deportação de estudantes, intlectuais e nobres ou pelo simples extermínio da população. Sempre resistiram, os polacos, e a Polónia existe hoje como terra de grande interesse para investimento e motivo de curiosidade para milhares de turistas ávidos de conhecer o seu passado.

Genarais como Franciszek Krajowski (1ª Guerra Mundial), Jarosław Dąbrowski (Comuna de Paris) ou Władysław Anders (2ª Guerra Mundial) têm os seus monumentos em Varsóvia e provavelmente noutras cidades polacas. As principais artérias das grandes cidades na Polónia foram baptizadas com os seus nomes. Escolas têm-nos como protagonistas dos seus currículos e programas lectivos. Até o sinistro e pró-soviético Wojciech Jaruzelski tem a sua franja de simpatizantes. Mas há um General que se destaca dos demais por ter sido aquele que há mais tempo tem feito sentir a sua influência no quotidiano deste país. Antes de existir Polónia e nos dias de hoje.

Este General não tem nome de rua, não tem bustos nem monumentos, não se lhe reconhecem êxitos militares ou diplomáticos, não comandou homens e no entanto todos sabem quem é. É um General que faz suas todas as ruas, bustos e monumentos. Impiedoso e cruel, ele regula as operações militares e diplomáticas condicionando o dia-a-dia na Polónia e regula o sentimento de todos neste país.

Falo-vos do General Inverno que regressou em força durante este fim-de-semana, trazendo-nos o vento siberiano e as belas das temperaturas na ordem dos -10ºC e deixando o PKiN encoberto pelo nevoeiro:

Mas não é tão difícil de suportar como pode parecer. O Geraldo que está em Poznań dá-nos uma perfeita descrição das diferenças entre o inverno Português e o Polaco. Subscrevo e assino por baixo porque eu também já comprei ceroulas.

Tão a rir do quê? Tentem andar na rua com quase mil graus negativos e vejam se o ás de paus não fica do tamanho dum dedal. E as meninas ficam com aquele pitão de alumínio espectáculo que quase fura os olhos da malta.
Ah pois é, bebé...

2 comentários:

Ze do Benfica disse...

Subscrevo as tuas palavras e do Geraldo. Eu tambem tive de comprar umas ceroulas porque aqui na Silesia faz um frio maluco. Mas vou resistindo como posso. A semana passada estiveram por aqui uns simples -15.... o que e isso para um tuga habituado a temperaturas mais amenas

PM Misha disse...

zé de bielsko, hás de deixar o teu contacto no meu e-mail. com a frequência que vou aí ao sul (e possivelmente começarei a aprender ski na szyndzielnia) até poderíamo-nos encontrar pra falarmos de ceroulas e sapatos peludos com uma cerveja morna pelos queixos.
que dizes? q;)