segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Sensibilidade e bom senso

Um chama-se Rodrigo, outro Tomás. Aquela é a Beatriz, esta a Camila e o que está para vir será Francisco. Estes são os nomes da moda, nomes pomposos que os pais modernos adoptaram para batizar os seus filhos. Acho duma pirosice inqualificável esta roda de modas a que os progenitores se submetem quando calha a escolherem um nome para a sua descendência. 

Se tivémos um surto de Cátias Vanessas e Jessicas Soraias há uma dezena de anos tal se deve às imprescindíveis telenovelas sul-americanas que semearam a imaginação das ocas cabeças de quem escolheu tal designação. Agora assiste-se ao desfilar de barbaridades como o cúmulo dum Martim Martins ou de uma rapariga ter como primeiro nome Flor. Os pais não vêm o ridículo em que colocam os seus filhos, sabemos que as crianças são muito cruéis e não irão perdoar a quem se chamar Iuri Nelson, nem numa visão mais abrangente antevendo as futuras carreiras profissionais. Que credibilidade terá a causídica Tatiana Sofia ou o eminente cirurgião Jasmim Tiago? Já imaginaram estas duas tristes almas na chamada para o exame à ordem, a risota de que não serão alvo?

Já não se faz um Paulo Jorge, um Carlos Alberto, um José António. Já não se vê uma Maria Inês, uma Manuela nem uma Luísa. Anda tudo com a mania dos nomes nobres sem cuidar do mais elementar: a formação cívica. Qualquer dia temos população prisional composta por Bernardos e Diogos.

7 comentários:

Anónimo disse...

é por essas e por outras ke o meu filho tem um nome bem portugues
Zé Miguel ...
Um abraço Merx

Zé de Fare disse...

Realmente é verdade. Na escola primária os nossos nomes eram muito mais normais. Os nomes estranhos vinham de alguém que tivesse nascido em França ou na Alemanha. Era o tempo dos Patrick's, dos Michael's ou das Aline's...

Zé de Fare disse...

Aliás, basta olhar aos nomes dos nossos avós para vermos com pena os nomes que se usam agora...

PM Misha disse...

merx,
confere!

zé,
mas tb te digo, nunca iria chamar umbelina a uma filha minha q:)

Ricardo Taipa disse...

O meu filho mais velho chama-se Manuel (como se chamava o avô paterno), o mais novo ficou Marcel. Aqui não se gerou consenso... Em português diz-se Marcelo, em polaco Marceli (martseli) portanto ficou Marcel.

Que tal? :)

PM Misha disse...

tá porreiro, é original mas não é piroso nem pretensioso.

eu nem sei que nome dar a filho meu, em portugal dizia que se fosse filha seria maria inês.

agora? até me pelo com os nomes polacos...

Maria João Belchior disse...

Aconselho um livro giro (já com uns anos) onde também se contam histórias sobre escolha de nomes entre muita outra coisa. "Freakonomics".