segunda-feira, 12 de maio de 2008

Montanhas Polacas - parte I

O 1 de Maio é naturalmente feriado na Polónia. O dia 3 de Maio também é mas por motivos diferentes. Celebra-se nesse dia a Constituição da Polónia, a mais antiga constituição europeia e a segunda mais antiga no Mundo. Juntando o Dia do Trabalhador ao Dia da Constituição temos 2 feriados salpicados por uma 6ª feira de ponte, mini-férias que os polacos aproveitam para desabelhar para os lagos da Mazúria ou para as montanhas do sul do País. Eu fui rebocado para as montanhas e esta é a primeira parte da minha aventura.

Aventura que era suposto começar de carro logo em Varsóvia mas como o bote da Iza ainda está em reparações tivémos de percorrer de comboio o trajecto entre a capital polaca e Tychy. Um americano, um italiano, um algarvio e duas polacas chegaram à Silésia onde um almoço em casa dos simpaticíssimos pais da Iza aconchegaram os estômagos meio debilitados da festa da noite anterior. 2:30 horas de comboio não massacraram muito o chassi e ainda bem que assim foi pois os 144 km que nos separavam de Ząb seriam penosos, tendo em conta a péssima condição das estradas polacas. Atacámos, pois, o caminho em direcção à Oświęcim dos infames campos de concentração nazi e parámos ao fim de 2 horas em Wadowice, terra de João Paulo II para abastecermo-nos de Kremówki, uma especialidade de pastelaria que fazia as delícias do Sumo Pontífice.

Papámos a papa do Papa e pusémo-nos a mexer, lenta, lenta, lenta e lentinhamente. Apenas em alguns troços consegui engatar a 4ª mudança porque a espessura do trânsito não permitia velocidades acima de 40 km/h. Esgotámos as músicas, jogos, entretenhas para passar o tempo, trinta por uma linha para enganar o relógio que registava a demora desesperante. A páginas tantas abre-se uma fresta de caminho, meto-lhe a 5ª e consigo dar-lhe um pouco de gás. Mal esboçava alegria pelo facto e uma mancha amarela fluorescente surge no horizonte. Encosta o bote, Policja! Saca dos documentos, assopra o pífaro, "o senhor vinha a 90km/h numa zona onde o limite é 50."

"Ai tal e coiso, porque andamos há horas na estrada, porque agora é que deu para acelerar um pouquinho. O shô guarda tá a ver? Vamos aqui descansadinhos prás montanhas, é tudo gente pacata, malta do bem, veja lá isso..."

Debalde. O crápula do bófia ainda fez a fineza de não me multar por ter a Autorização Temporária de Residência expirada (desde Fevereiro. Nunca mais eu me tinha lembrado de tal coisa!). Uivou algumas coisas desagradáveis num polaco que consegui perceber, tratou-nos por tu (se algum agente de autoridade nos tratásse por "tu" em Portugal o festival que não seria) e passou-me um belo dum mandat de 300 paus para que aprendesse a conduzir mais devagar.


Fiquei possesso, com vontade de mandar o polícia polaco para a santíssima mãe dele mas como não conheço a senhora passei o volante à Iza e fiz o resto do caminho praguejando contra o bofe, as estradas, o GPS, a puta da montanha longe como os cornos e que não se compara com uma caracolada de Maio na esplanada de praia do Vitinha, a moça que me criticava por guiar depressa (ora, não irás à merda com essa conversa?!) e mais a catrefada de dinheiro que já tinha gasto entre multas, comidas e gasóleo sem sequer ainda ter chegado ao destino.

Ainda por cima, o ganso escreveu o meu nome todo mal!

3 comentários:

A Nossa Casa disse...

Querido mano "Nune", dont worry! O final do mês está quase aí e nos cá te esperamos com montes de saudades!!!!! :)
Beijos
Rita

Zé da Bola disse...

Epá os polícias polacos andem mesmo aí. É preciso ter realmente muito cuidado com eles. Até agora só os vejo ao longe. Nesse feriado 1 de Maio estive na Eslováquia e a estrada vale a pena. Aliás sais da Polónia qualquer estrada vale a pena. Mas fica aqui uma dica para uma viagem de fim de semana para as montanhas Eslovacas. Quanto a Mazury... se fores de Tychy para lá confesso que é um castigo horas sem fim no carro e estrada como se sabe. Se fores de Warsóvia acho que vale a pena porque fica mais perto. Gosto da região para estar longe de tudo... mas não para ficar por lá. Vai com calma.... A propósito na Polónia somos cerca de 400 pelo menos for informação que tive da nossa Embaixada.

Anónimo disse...

Olha lá ... onde é é ke eu ouvi o (Nune) ... Hummm já sei ... Aljustrel ... bola ... almoço ... grãos ... viagem de volta ... Um belo de um sarumfo ... ó Nune ... Nune ... poça ...foste tu ... que esse xeiro conheço eu ... ahahahahahahaha ... é ele é ...