terça-feira, 25 de março de 2008

Voltar a Varsóvia

O meu colega (colega, não. Ilustre senhor coordenador) Mário contou-me que ao chegar a Varsóvia de comboio é que percebeu que estava efectivamente na Polónia, no tal país distante e frio em que se fala uma espécie de russo, onde as pessoas eram comidas pelos comunistas. Enfim, o folclore que coloria o desconhecimento e misticismo que envolvia os países da Cortina de Ferro. Os grafitis sombrios desenhados em pilares de cimento ferrugento ameaçam o visitante com o peso da história polaca, uma linguagem mais bélica e escura decora o labirinto de túneis mal iluminados do acesso à Estação Central, o comboio serpenteia entre o entulho derramado no chão e desvia-se com perícia dos pedaços de tecto mal tratado que entretanto caíram por falta de manutenção. Bem-vindos a Varsóvia, capital da Polónia.

A viagem entre Tychy e Varsóvia fez-se bem. Os comboios são antigos mas confortáveis, com um sistema de aquecimento que tira-nos os casacos dos ombros e faz-nos espreguiçar de contentamento. O quentinho do interior contrasta com a paisagem branca que vai passando por nós, os estofos são forrados por uma imitação de veludo verde, compartimentos de 8 lugares onde polacos e um algarvio dormitam embalados pelos sacolejos compassados do "cavalo de ferro". Fuma-se dentro do compartimento descontraidamente, nem pedir licença nem procurar a (eventual) zona própria. Uma nesga de janela aberta permite que o único não fumante do momento escape às baforadas polacas sem ter de manifestar aborrecimento.


Entre a Silésia e a Capital há um país que as divide. Até o dialecto é diferente: tomate em polaco é pomidory e em silesiano é tomate. Gosto da tranquilidade da Silésia e da diversidade de Varsóvia, é bom trabalhar na capital mas é muito bom recolher em Tychy. A paisagem não se compara, o verde do Sul choca com o cinzentismo urbano decadente da capital. O cheiro do ar é diferente, em Varsóvia o ar (ainda) é inodoro enquanto na Silésia as fornalhas dos aquecimentos a carvão (à boa maneira mineira) debitam metros cúbicos de fumo fedorento que empestam o ambiente (essa é a diferença mais rápida de se sentir). As pessoas têm outro comportamento, Mais calmo na Silésia mas mais agressivos em Varsóvia.

Não sei onde me sinto melhor, com franqueza, mas sei que a dado momento preciso de ambas as sensações. Da pica e do relaxe.

É a vida no seu esplendor.

3 comentários:

Rui Vilela disse...

Não me lembro de viajar num comboio com alguém a fumar ao meu lado.

Pomidory em silesiano é tomate? a mim parece port.

Não tens de te afastar muito de Varsóvia para ter Verde :)

PM Misha disse...

é mesmo tomate. eles têm muita influência do alemão e há muitas palavras que sofrem essa influência. eles não dizem "jest sześć" para indicar quantidade mas sim "są sześć"

é um rir que nunca mais acaba.

quanto ao verde... Francamente nunca passeei nos arredores de Varsóvia mas do que conheço é cinzento e castanho a perder de vista. Sugestões aceitam-se ;)

rui-barbeador disse...

Ta tudo bem ou ke? Nao dizes nada? Saudadinhas! lol