segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Para bom entendedor…

Flaki Turma nova de primeiro semestre, o já conhecido ambiente de expetativa e ansiedade de primeiro dia ante a aprendizagem dum novo idioma, este nosso português tão exótico e musical para os ouvidos polacos. Algumas pilhérias de circunstância para quebrar o gelo, estratégias usadas para uma integração e interação rápidas dos alunos tais como  explicar a inexistência da pessoa “vós” nas gramáticas e no programa apesar de constar de jure, coisa aligeirada com uma piada feita às custas das hospitaleiras gentes do norte de Portugal.

- Ah, isso do “vós” praticamente só é usado na cidade do Porto e num raio de 50km. Quanto mais para Sul menos se diz mas eles usam palavras muito estranhas como “cimbalino” em vez de “café”, trocam os “v” pelos “b” e vice-versa, comem os intestinos dos animais a que chamam tripas… Enfim, são um bocado estranhos.

Interrompe a Natalia:

- Mas nós também comemos tripas!

Parei de escrever no quadro, virei-me para ela e sorri paternalmente. O resto da turma caiu numa gargalhada geral.

8 comentários:

Ania disse...

Só que as nossas tripas são muito diferentes das do Porto... ;)

Anónimo disse...

são tão estranhos que até conseguem ter uma das melhores e afamadas equipes de futebol mundial...que inveja!Nós,ficamos com as sobras,tipo maniche e mendes já mais rotos que uma pedra-pomes.

Luís Fonseca disse...

Com que então andamos a enganar polacos?
Nós (tripeiros) não trocamos os v's pelos b's e vice-versa! Limitamo-nos a não usar os v's.
E se querias brilhar sempre podias dizer que segundo os nortenhos, os computadores ao Sul do Mondego têm um byte a mais: o byte foder.

PM Misha disse...

bem...

ou o QI de alguns leitores não é suficiente para interpretar bem as "pilhérias de circunstância" e a "piada feita às custas das hospitaleiras gentes do norte" ou há aí complexos de inferioridade que eclodiram agora, a meu ver, sem justificação.

mas não vou entrar nisso, ainda me abaixam ao seu nível e ganham-me por maior experiência.

Ricardo Taipa disse...

Vós tende juízo carago! :))

E lá por "Famalicon" também se fazem tripas e papas de sarrabulho...

Luís Fonseca disse...

Calma que nem o meu QI é abaixo da média, nem tenho complexos de inferioridade e nem um computador baseado na Polónia se encontra abaixo do Mondego!
Lamento que a piada (que até nem é minha) tenha sido mal interpretada, uma vez que a minha intenção nunca foi ofender ninguém.

zekarlos disse...

Vá lá amigos, deixem-se de tretas...
Eu também sou do "Norte" e acho uma delícia os textos do amigo Misha, extremamente bem escritos e sempre com aquela "provocaçãozita" inteligente que os caracteriza.
É disso que eu gosto e é por isso que eu todos os dias aqui volto.
Espero que mate a minha sede com mais uma crónica para breve...

Maria João disse...

Um tripeiro e um mouro caminhavam pela praia, quando um deles deu um chuto numa lâmpada mágica e despertou o génio do sono milenar.
O génio bradou: Cada um de VÓS tem direito a um pedido.
Mouro-Epa, tipo, quero que seja construído um muro que divida o norte do sul, impedindo a entrada dos tripeiros. Não precisamos de aguentar esse tipo de gente e outros menos capacitados que nós.
Génio:O seu desejo é uma ordem ZAS! Muro construído meu amo.
E tu tripeiro? O que desejas?
Tripeiro: Oube lá , ó mórcon, o muro que construíste é solido?
Génio: Nada deste planeta o pode destruir.
Tripeiro: E é alto?
Génio: Mais alto que a torre Vasco da Gama ou mesmo maior que os mais altos edifícios em todo o Sul.
Tripeiro:Tá-se bem atoum, enche-me essa merda d'água até acima!