segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Na Polónia sê Polaco - 11

A Karolina é uma simpática aprendente de Português que está a passar uns dias em Faro em casa de familiares meus, uma aluna já de nível avançado e que decidiu visitar Portugal pela primeira vez para conhecer o meu país e também desenvolver os seus recursos linguísticos. Foi um prazer revê-la e conversar com ela sobre as suas impressões sobre Portugal e sobre o Algarve uma vez que ela está cá há 3 semanas e já correu o país de Coimbra a Faro, notando o cuidado dela em escolher o tempo verbal certo para não causar má impressão. Foi engraçado termos detetado erros gramaticais nos cartazes publicitários do Pingo Doce quando fomos às compras, encher a despensa para os três dias seguintes.

Na secção de charcutaria ela perguntava-me o nome de produtos que não vêm nos manuais ou que não existem na Polónia como paio, chourição e salame mas a pergunta que me matou foi “Vocês aqui pedem em termos de gramas ou outra medida de peso?” A princípio fiquei algo surpreso com a pergunta e não captei a intenção mas acho que ela leu a minha reação e justificou “É que na Polónia nós pedimos em decagramas.” Aí tive de parar, pensar e perguntar-lhe:

- Vocês pedem as charcutarias em decagramas? Mas que diabo…

- Sim, pedimos. Por exemplo, 20 decagramas de fiambre. Dizemos 20 deko szynki.

Ora bem, estou a morar num país que serve 20 decagramas de mortadela em vez de 200 gramas. Pensei: “O raio da mania que estes gajos têm de terem as suas excentricidades, mas tem algum cabimento pesar a comida em decagramas?” mas recordei o choque que tive quando entrei na Polónia e vi que as bombas de gasolina mediam o combustível servido em decímetros cúbicos em vez de litros. “Bem, eles lá sabem das suas pancadas” e continuei a assistir às compras da Karolina. Logo a seguir, outra pergunta desconcentrante: “Como é que vocês dizem queijo amarelo?”

Não, nós não dizemos queijo amarelo porque há muitos queijos amarelos em Portugal: o queijo Flamengo, o queijo da Ilha, o Bola, Gouda, Emmenthal e por aí fora. Finalmente o alojamento, uma vivenda situada exatamente entre Faro e a Praia de Faro, 3km para a cidade e outros 3km para a praia. Preparava o discurso sobre os horários de autocarros, compra de bilhetes e etecetera quando ela atalhou: “Ótimo, é perto e assim eu posso caminhar até à cidade ou para ir para a Praia.”

Passei-lhe a chave para a mão, dei-lhe as boas noites e voltei (de carro) para a Praia. O que diria Obélix?

4 comentários:

Paulo Soska Oliveira disse...

Em decímetros quadrados deve ser complicado, ó camarada :)

Se me disseres dm3, aí sim.
E essa sim é a unidade oficial de Volume.
Bem, tecnicamente a unidade do Sistema Internacional para Volume é o metro cúbico. A sua milionésima parte é o decímetro cúbico.

O litro é equivalente a esta medida e o seu uso é aceite, não o tornando no entanto na unidade de referência.

Vê aqui:
http://en.wikipedia.org/wiki/Non-SI_units_accepted_for_use_with_SI


Quanto aos dag, a minha teoria é de que poderá ter relação com a precisão das balanças em tempos idos.
Talvez fosse mais facil/barato produzir balanças cuja escala fossem os decagramas e assim se enraizou ainda hoje.

A mim niguém me tira os trzydziesci deko poledwicy sopockiej :)

PM Misha disse...

obrigado, soska. queria naturalmente escrever decímetros cúbicos porque o decímetro quadrado é uma unidade de área, é o que dá escrever com a cabeça a pender de sono q:)

mas pronto, antes decagramas e decímetros cúbicos do que onças e galões...

Dilbert@work disse...

"Esses polacos são doidos (toc, toc, toc!!!)..."

O que é verdade é que certa encomenda postal enviada para a Polaskia chegou direitinha e inteira, remember? Hahahaha!!! :)

Paulo Soska Oliveira disse...

Deixa lá que ando a bebê-las às pints (568 ml) :D