segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Marsz, marsz Misha…

Regressei a Varsóvia. Está a chover e não tenho internet. Dão descida da temperatura até aos 7ºC para amanhã.

Se solto o mar que não trago no peito,
se largo a brisa e o sol insatisfeito,
se deixo a Ria a chorar no seu leito,
se perco a areia que quer o meu estar.

Se solto as ondas de sal contrafeito,
se largo as estrelas com quem me deito,
se deixo a cidade que me fez o jeito,
se perco a raíz que criou o meu ser.

Se venho do puro, belo e perfeito,
se saio de onde sabe bem viver,
e vou para onde o céu não sabe brilhar.

Se tudo faço com pleno pensar,
é porque sei que em ti quero crescer.
Pois eis-me!, Varsóvia. Dá-te ao respeito.

Assim se respira fundo e se expia uma alma.

3 comentários:

Rogério Charraz disse...

Pois olha que aqui em Sintra está um calor que até chateia...

Abraço lusitano!

Ricardo Taipa disse...

Temos poeta! ;-)

PM Misha disse...

sempre se teve, desde os prémios no secundário.
obrigado pelo abraço, vai sendo preciso q:)