terça-feira, 6 de outubro de 2009

Estranha forma de vida

amália Um leitor classificou o post anterior de “choradeira atroz” por eu me sentir num estado de pré-depressão, antevendo a escuridão que me aguarda nas ruas da capital polaca e os cabazes de frio que serão distribuídos diariamente nos próximos cento e tal dias. Escreve também o referido leitor que daqui por uns dias vou desatar a cantar odes a Varsóvia por não conseguir viver longe dela e que afinal de contas concluo que Varsóvia é a cidade da minha vida com a qual me irei casar e blablabla.

Outra leitora refere o sussurro das folhas, o cheiro da chuva, o ar fresco (chama-lhe gelado!) das manhãs, vinho quente com canela e as pernas esbeltas encaixadas em botas de tacão alto. Muito sinceramente, as pernas sim. O resto dispenso, principalmente o vinho com canela do qual não consegui tornar-me fã. Dispenso o frio da manhã, a chuva, a folha caduca, dispenso isso tudo. Varsóvia tem mil outros motivos de interesse e atrai-me por tantos outros fatores mas nenhum é mencionado nesta bonita descrição.

Estou pré-deprimido e pronto, pouco há que me possam fazer para que mude este estado de espírito. O mar explode em ondas alegres que me chamam para nadar, o sol não está tão radioso como no verão mas vai mantendo o céu varrido de nuvens densas e ainda não consegui vestir um par de calças sequer. Daqui a alguns dias esta paisagem será apenas lembrança e outra bem mais exigente surgirá diante de mim.

E será apenas isto razão para me deprimir? Talvez não, mas lembrei-me que a Dona Amália faleceu há 10 anos, aquele que era certamente o maior vulto vivo dum Portugal universal, a réstia do Império, a voz da Nação, a cara da Pátria. Amália era portuguesa em toda a sbettencourtua plenitude, na maneira como cantava o nosso país, nos cabelos e olhos morenos, nas formas pequenas tão lusitanas, na profundidade com que tocava burgueses e povo. Não há grandes diferenças entre a Esfera Armilar da nossa bandeira e o rosto de Amália, todos nós têmo-la na voz e ela era um pouco de todos nós. Às vezes imagino Camões a fazer letras para ela cantar porque um pouco de Portugal morreu com Amália e renasce sempre que ela canta o fado.

A Dona Amália faleceu há 10 anos… então, é isso que me deprime? Bom, se considerarmos que Portugal é Fado, Futebol e Fátima, se considerarmos que Fátima fica de parte devido ao meu ateísmo e que o Fado está orfão, sobra o Futebol.

  1. A seleção portuguesa está mais fora do Mundial do que dentro,  mesmo que nos qualifiquemos para o playoff é mais certo apanharmos a França e irmos de barco;
  2. A seleção polaca já não tem hipóteses nenhumas de ir ao Mundial, lá se vai a minha segunda equipa nesse torneio;
  3. O Sporting joga pior que o último classificado da 7ª liga de Madagascar, não faz rigorosamente nada para mudar o estado de coisas e a única voz que se ouviu foi para falar do fundo de investimento dum clube rival;
  4. A Legia vai com 8 pontos de atraso em relação ao Wisła e vai ver o campeonato por um canudo para não variar;

Perante a real e concreta perspectiva de ter 2010 como o pior ano futebolístico da minha vida, perante uma mudança de 20º centígrados nos próximos dias, perante isto tudo que ainda por cima é feito de livre vontade… ainda acham que é choradeira?

    2 comentários:

    Ricardo Taipa disse...

    Agora quem ficou deprimido sou eu... andas de calções e tudo... isso parece-me ficção cientifica nas condições actuais. Ainda hoje choveu em Łódź e soprava um vento frio na cara.

    Acabaram-se as mini-saias, as sandálias e os pezinhos arranjados com unha francesa... 8-)

    ola disse...

    Sinceramente, acho que sim - e uma choradeira. Polonia e assim: o verao acaba em breve e tudo o bonito que esta ligado com ele tambem, e o que resta depois sao pelo menos sete meses do frio, chuva, vento e outros desastres. Eu tambem nao sao fa disto. Mas ultimamente di-me conta duma coisa muito importante: eu mesma posso decidir onde quero morar e, mesmo que tinha outros planes, decidi ficar na Polonia. Por que? Ha muitas razoes diferentes. Mas tambem ha muitos motivos para ir-me. Quando fico congelada numa paragem ou luto com o vento ao correr as aulas e sei que isto apenas e o inicio, imagino que agora podia estar na praia da Gran Canaria como planeava ha pouco tempo atras. Mas agora estou aqui e trato de concentrar-me nas coisas que me fazem feliz neste lugar e nestas condicoes. Porque nao faz sentido perder tempo e energia em queixar-me. Foi a minha decisao onde vivo e o que estou a fazer. Por isso assumo a responsabilidade dela e passo adiante.
    Nao sei por que tu queres viver na Polonia, mas disseste que Varsovia tem "mil motivos de interesse" que te atraem. O meu modesto conselho: concentra-te neles e nao nos desastres futebolisticos ou "temposticos" e vais sobreviver. Talvez mesmo contente. Oxala!
    P.S. Talvez o ano 2010 vai ser o ano dos TEUS exitos futebolisticos!
    P.S.2 Este sabado disputo o meu primeiro torneio de tenis. Trzymaj za mnie kciuki! :)