terça-feira, 17 de maio de 2011

À do Ti Chico

Merceeira Um pouco contra a corrente do tempo e numa era em que o consumismo hipnotiza as gentes fazendo-as acorrer em manadas histéricas aos gigantes centros comerciais, na Polónia, não apenas nas vilas e aldeias mas também nos maiores centros urbanos, ainda está bem vivo o conceito da mercearia de bairro, a Sklep Spożywczy que se pode encontrar em cada quarteirão.

A reconstrução da capital polaca planificada pelos soviéticos teve aspetos maus, como a falta de gosto de alguns edifícios manifestamente negativos e sombrios, mas também teve lados bons como uma estupenda arquitetura paisagística onde o verde dos parques se equilibra com o cinzento do betão, avenidas de três e quatro faixas e passeios largos nos quais os prédios distam sempre uma mão-cheia de metros da linha de estrada. Os construtores de então, obviamente empresas do Estado, tinham de rodear os blocos de apartamentos de espaços verdes onde um parque infantil era (e ainda é) prioritário e em cujas instalações também tinham de funcionar uma farmácia e uma mercearia. Algumas dessas tradições vão-se mantendo até aos dias de hoje e podemos ver em qualquer construção o respetivo espaço para a instalação do parquinho de areia ou tartã para as crianças se ginasticarem e nunca estamos a mais de cinco minutos a pé de uma farmácia… ou de uma mercearia.

É claramente uma medida que contribui de maneira formidável para a qualidade de vida das populações, ao contrário do meu país onde em muitas ruas os peões são obrigadas a tourear carros nas ruas porque os prédios lhes roubaram os passeios, as mesmas ruas onde as crianças têm de jogar à bola porque os empreiteiros não constroem garagens e os automóveis são estacionados quase dentro das áreas comuns do prédio, país no qual em vez de se leva a família a passear ao shopping como se fosse um ato social em vez de tempo de qualidade. Aqui a Polónia leva a palma e respeita as suas pessoas fomentando hábitos higiénicos e saudáveis, todas as manhãs e em muitos fins de tarde vejo mães e avós sentadas no beiral do parque infantil do meu condomínio enquanto vigiam as crianças que sobem e descem os escorregas, que trepam as aranhas e gaiolas, que andam de baloiço dando às vezes grandes malhos na areia. Até aí se nota uma diferença comportamental sendo que os polacos são partidários do “Caíste? Alevanta-te!” que se dizia no meu tempo em contraponto com a teoria alucinada das criançasEscola do Carmo bacteorologicamente puras do séc. XXI sem tintas com chumbo nos brinquedos nem cascarrões arrancados com unhas sujas. No meu tempo jogávamos à bola no alcatrão do recreio da Escola do Carmo, às vezes lá ia uma vidraça nas horas mas as contínuas não nos chateavam porque sabiam que nós não fazíamos por mal, até evitámos dois assaltos quando os Andorinhas, perigoso gangue juvenil originário do pouco recomendável bairro da Horta da Areia, entraram pelas traseiras para roubar leite e material escolar sendo que retivemos os gatunos no interior da Escola enquanto chamávamos a polícia e alertávamos a descansada D. Rosette que morava duas portas abaixo. O Ti Chico, merceeiro analfabeto que vendia papossecos de lenha no seu escuro cantinho no Alto Rodes, tinha sempre um sorriso para as crianças e tratava toda a freguesia com simpatia inigualável, recomendava dias para a compra da fruta e franzia o nariz como sinal de desaprovação quando os pimentos estavam moles ou as batatas já estavam greladas.

Estou prestes a comprar casa em Varsóvia e a escolha recaíu num T2 rés-do-chão com 54,6 m² de área e mais de 70 m² de jardim privado para plantar árvores e pendurar uma rede fora o terraço e o espaço que vou ter depois da cerca para poder ensinar os putos a andar de bicicleta ou de patins. Caro, é verdade, vai sair a quase €2000.00 por metro quadrado (para termo de comparação, o preço em Faro está a €700.00/m²) mas qualidade de vida é coisa que não me irá faltar, nem a minha mercearia do quarteirão para as urgências do quotidiano.

5 comentários:

Ricardo Taipa disse...

Parabéns pela aquisição. :) O preço do imobiliário em Varsóvia não está para brincadeiras! 0_o

Subscrevo a qualidade de vida em muitos dos bairros nas grandes cidades polacas. Onde moro também temos essas facilidades, no nosso caso com duas farmácias, mercadinho, veterinário, centro de saúde, 3 dentistas e um pequeno Tesco.

Os miúdos sabem o que é brincar no exterior, sujarem-se de areia e fazerem nódoas negras.

Abraço e felicidades no novo ninho.

Ryan disse...

Acabo de chegar da "tua" Varsovia. Sinceramente acho que comeco a gostar da cidade apesar de nao ser o sitio onde onde gostaria de viver. O Euro 2012 vem ai e esta mais limpa, pelo menos no centro, e assim vale a pena. A Estacao dos Comboios principal esta em reconstrucao, assim como outras Estacoes por toda a Polonia, e assim digo eu vale mesmo a pena. Pelo menos no centro de Varsovia o cheiro do comunismo parece estar a abater-se.
Quanto ao post... sim as criancas daqui ainda brincam na rua e nao passam o tempo coladas as (des)consolas de jogos. Aqui ainda sabem brincar. Ando a pensar em comprar casa mas em Krakow mas nao num bloco de apartamentos. A ver vamos o que as minhas buscas me reservam.
Um abraco e boa sorte na nova casa.

Nuno Loreto disse...

Parabéns pela casa! Onde ficas, em Ursynow?
Boa sorte com tudo

Nuno Miguel disse...

obrigado, camaradas.

o spot é em bemowo, na saída oeste como quem vai para poznań. em 4,5 anos vou ter lá metro e estarei à mesma distância temporal do centro que estou agora, entretanto há elétricos e autocarros. nada que me meta medo q;)

e parabéns pela liga europa.

Ricardo Gomes disse...

O Grande Ti Xico da Rua Gaspar Leão, onde eu morava no nº 60. Ainda ontem tive lá, na casa de meus (falecidos) Avós e está tudo velho no Alto Rodes, casas e pessoas. Os prédios novos são feios e aborrecidos e Parques, há o mesmo de sempre, na "baixura", de selva apenas o betão.