sábado, 19 de março de 2011

O prometido é devido

Eu prometi que me passava com um deles e pronto, aconteceu.

Bomba da BP no sul de Varsóvia, eu atrasadíssimo para o trabalho no  segundo lugar duma fila grande para pagar o gasóleoporque só havia um caixa a atender as pessoas. Nisto uma rapariga disponibiliza uma outra caixa e chama o cliente seguinte que era eu, um velho (talvez de 55 anos mas chamo-o de velho porque ele não me merece respeito para que eu o trate de “homem” sequer) arma-se em carapau de corrida e pula duas ou três pessoas para se chegar primeiro à dita caixa puxando do cartão de débito e anunciando a compra, número de bomba, tal e tal.

Veio-me à memória os episódios anteriores de má-educação e desrespeitos de filas e num gesto instantâneo e surpreendente tirei o cartão do velho de cima do balcão, pu-lo na prateleira dos chocolates, fitei-o nos olhos, recapitulei o polaco e rugi no tom de voz mais ameaçador que me lembro ter tido:

- Peço desculpa mas eu estou primeiro, o senhor viu e sabe muito bem que eu estou antes de si, está bem?

O velho deve ter ficado assustado porque não reagiu logo, gaguejou um protesto enquanto eu passava o meu cartão com o tal sorriso algarvio que desbloqueia situações nesta terra e a senhora da caixa matou o caso reiterando que a fila era única e que o senhor tinha de respeitá-la esperando a sua vez. Recebi os talões com cada vez mais sorrisos, despedi-me em delicadezas e saí ufano e orgulhoso da encavadela que tinha acabado de pregar nestas cavalgaduras. Chega um ponto em que uma pessoa tem de dizer que dói quando lhe metem o dedo no cu, a partir de agora que lhe tomei o gosto contem com respostas tortas sempre que me tentarem fazer a folha.

5 comentários:

Ryan disse...

Olha nem mais. Na Silesia onde vivi durante uns tempos cheguei a atrazar-me por causa de gente que se chega a frente quando se abre uma caixa e acabam eles de chegar. Eu sei que há Chicos Espertos em todo o lado (até em Portugal) mas parece-me que aqui na Polónia há uma espécie de falta de curtesia quando se trata em esperar em filas. Os Polacos sao gente simpática é verdade mas em todo o lado há sempre alguma coisa que estraga o cenário.

Ricardo Taipa disse...

Há muitos espertos. Por vezes são daqueles que já têm uma casca devido a terem de ser tubarões nos negócios que fazem e no tratamento com clientes e fornecedores, isso passa, pelos vistos, por passarem em cima de tudo e de todos.

Não o mandaste para o caralho em português?

PM Misha disse...

ricardo,

jogar-lhe o cartão para a prateleira dos chocolates foi equivalente. o tipo não era desse género de tubarão, pareceu-me até de modestas posses, mas eu já tinha prometido uma reação assim à primeira oportunidade. nem que fosse o pudzian (e mesmo que eu comesse valentemente nos cornos a seguir) eu reagiria sempre assim.

Claudio Hideki Kurahayashi disse...

Vocês deveriam conhecer o Brasil que, nesse sentido, é muito pior do que a Polônia. "Furar filas", desrespeitar sinas de trânsito, jogar lixo no chão... Tantas coisas que muitos veriam a Polônia como nação de primeira grandeza.
Sou brasileiro, do Rio de Janeiro (considerado o segundo povo mais porco do país, seguido do da Bahia) e sou obrigado a conviver diariamente com a falta de civilidade nestas paragens. Ah! E se você reclamar com um desses imbecis selvagens, correrá o sério risco de chegar às vias de facto, quiçá, ter uma arma de fogo apontada para o seu rosto.
E pensar que sediaremos Copa do Mundo e Olimpíadas...

Aga disse...

E por mero acaso, isso não acontece em Portugal?? :/.. No Mundo inteiro há bestas quadradas assim, meus meninos. Eu moro em Faro (já lá vão 11 anos) e, acreditem, que situações, como essa... é o PÃO DO DIA!!!