terça-feira, 23 de novembro de 2010

A verdade, acima de tudo

żurek A verdade pode ser dita de muitas maneiras e nem sempre da forma mais agradável. Há verdades que custam a ouvir e outras que custam a sentir, até há verdades que são conhecidas mas que ditas sob um ponto de vista diferente até parecem mentira. Esta introdução serve para mostrar mais uma vertente da vida na Polónia, a gastronomia polaca num prisma diferente.

Convidei os meus alunos do primeiro semestre, alunos de nível básico mas que já estudaram espanhol, a imaginarem-se como donos dum futuro restaurante polaco no Algarve e que compusessem a ementa, necessariamente com especialidades dos seus países. Que o menu contivesse gołąbki, szarlotka, żurek, golonka e outros petiscos típicos da Polónia mas que todos esses pratos fossem explicados na língua de Camões para que o cliente português compreendesse as opções e comgolonka preços eu euros mas simpáticos porque a situação em Faro está dez vezes pior do que em Varsóvia. Entregaram-se com entusiasmo à tarefa e o resultado traduziu-se em três excelentes cardápios referentes aos restaurantes “Quatro Noites”, “Pequena Polónia” e “A Águia Branca”. Em cada um constavam pelo menos três sopas, três pratos de peixe, três pratos de carne e três sobremesas. As propostas foram apresentadas com solenidade, destaco algumas:

- Sopa branca de salsicha e ovo em caldo de água e fermento;
- Caldo de frango com massa;

- Joelho de porco marinado em ervas e cozinhado em cerveja;
- Carpa cozida com batatas fritas;
- Couve azeda com carne e cogumelos;
- Arenque em gelatina.

Digamos que há várias maneiras de se dizer o que é verdade mas apresentar a gastronomia polaca desta forma aos portugueses não será a melhor maneira de conquistá-los. Se a minha opinião valer de alguma coisa aprovo todas estas sugestões menos o peixe com gelatina, esse é daqueles pratos que nunca comi mas não gosto. O resto? Delicioso!

2 comentários:

zekarlos disse...

Realmente as palavras "fermento", "azeda" e "arenque" despertam em mim um impulso incontrolável de fugir da mesa, seja ela qual for.
No entanto, já tive a oportunidade de provar algumas dessas iguarias (especialmente Carpa em Gelatina, que é um prato típico natalício na cidade da minha Kasia) e, posso afirmar, que não sabe tão mal como soa.
Quanto às couves azedas já não posso dizer o mesmo :P

Ricardo Taipa disse...

Desejo que a "Polonia" em Portugal cresça exponencialmente para que esses restaurantes possam ter clientes e darem lucro. Por mim ficava-me com uns pierogi de queijo e uma "duży piwo". Dziękuje i do widzenia!