quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Uma boa notícia

Andrzej Lepper, ex-Ministro da Agricultura e ex-Vice Primeiro-Ministro na legislatura de Jarosław Kaczyński, foi condenado a dois anos de prisão efetiva por assédio sexual. Lepper, personalidade controversa no universo politico da Polónia, foi dado como culpado após terem sido provadas os seus avanços sobre uma funcionária do Gabinete do seu partido em busca de favores sexuais após um julgamento de grande impacto mediático devido à importância a do réu.

WARSZAWA LEPPER BANKOWCY SPOTKANIE Este caso tem uma importância acrescida devido à componente simbólica do veredicto. Andrzej Lepper é um homem boçal e arrogante, defensor duma doutrina tradicionalista e férreo apoiante da conceção de “Polónia Rural”. Os polacos na sua maioria não gostam deste homem e vêm nele o protótipo da mentalidade retrógrada de algumas franjas da sociedade polaca: O conservadorismo exagerado, a falta de educação escudada no quero-mando-e-posso da sua condição de diplomata, o arrazoado estúpido permitido por ser figura pública e, claro, rico, fê-lo granjear popularidade entre os aldeões e camponeses através dum discurso permamentemente cético e cáustico em relação à União Europeia e advogando posições mais próximas da Rússia vizinhos de leste (Ucrânia e Bielorrúsia). Lepper faz lembrar um pouco Silvio Berlusconi na infelicidade das suas tiradas, na inconveniência das suas declarações. São célebres as suas frases “É impossível violar uma prostituta” e “Considero-me um ditador positivo

Com a sua prisão, a Polónia também condena toda uma mentalidade reacionária que quase atirava o país para o isolamento europeu aquando da assinatura do Tratado de Lisboa. Visões antiquadas e políticas erradas deram aos agricultores poderes excecionais na convicção que tendo o povo controlado – leia-se povo ultra-crente e de certa forma ignorante - seria mais fácil perpetuar o poder. A cadeia de Lepper poderá ser um sinal de que outros populistas que ainda dominam a Polónia, como o padre Ryzyk e o próprio presidente Lech Kaczyński, terão os dias contados. Para bem dos polacos e desta extraordinária nação.

4 comentários:

Geraldo Geraldes disse...

A ter-se provado que ele cometeu esse crime, é positivo que tenha sido condenado. E que nem o facto de ser um ex-ministro o tenha livrado.
Quanto à visão política que ele se aproveitava face à ignorância de demasiados, julgo que não irá desaparecer tão cedo. Essa é uma franja que sempre terá o seu lugar, e que merece tanto respeito como as outras. Agora pessoas com tantas falhas de carácter, já é mais dificil de respeitar.

Ricardo Taipa disse...

Interessante; fiquei a saber pelo blogue. Se o padre Ryzyk fosse preso tenho a certeza que haveria uma grande comocao em certos meios conservadores e "mui católicos" da Polónia nomeadamente a vasta audiencia de lavados cerebrais da Radio Maryja.

Lepper representa para mim a Polónia que nunca me faria estar aqui, que nada me diz e que, a bem dizer, se pode demominar como a Polónia Casca-Grossa.

Zé de Fare disse...

Quer dizer que a alma gémea do Avelino Ferreira Torres foi de cana?

Ryan disse...

Epa na Polonia parece que ainda se faz um pouco para ter justica. Em Portugal... e melhor ficar por aqui...