quarta-feira, 22 de julho de 2015

Quando um copo de café com leite desperta a nostalgia

Já são quase oito anos a viver na Polónia e cada vez menos coisas me surpreendem neste país. Ao invés, é graças à adaptação e enraizamento cada vez mais consolidados que tenho conseguido aceder a propostas bastante interessantes e a ocasiões de realização profissional e pessoal que dificilmente (ou mesmo nunca) estariam ao meu alcance em Faro ou em qualquer outra terra portuguesa. A Polónia mostrou-me que tenho capacidade de pensar fora da caixa, fez-me crescer de uma maneira que eu não julgava possível, do ponto de vista emocional, sociológico, no plano das relações interpessoais e interculturais, se eu não tivesse vindo para cá não teria aprendido o que aprendi, não teria criado certas competências, não teria gozado o que tenho gozado, não aproveitaria as minhas potencialidades como tenho feito desde que assentei pé neste país. A Polónia tem dado inúmeras oportunidades, tem-me proporcionado condições incríveis para me desenvolver sendo também exigente na paga. Esta terra não dá nada sem receber algo em troca e do muito que já recebi houve coisas que também perdi por não ter sabido cuidar. Faz parte, aprende-se com os erros mas segue-se em frente porque amanhã o sol nasce outra vez.

Na Polónia já fui ator de televisão e teatro, professor universitário e tradutor, modelo fotográfico e diretor comercial duma empresa, comentador na rádio e na televisão, DJ e jogador de futebol. Não sei o que pôr no cartão de visita além da minha morada e do meu nome, esse elemento que revela a minha portugalidade ao mais desprevenido, que fala de mim e dos meus, que responde à pergunta 'de onde és'. O meu nome é português e eu venho de Portugal, a terra do fado, do mar e da saudade. Saudade: Essa palavra que, tal como o meu nome, não tem tradução em nenhuma língua. Esse bicho que morde sempre que pensamos que já morreu, quando já nos julgamos imunes ao seu veneno, que as suas radiações já não nos afetam. Tão ativo tenho andado de escola em festa, de estação de televisão em relvado que não me tenho lembrado de Faro - não que alguma vez em me esqueça do berço mas porque me sinto tão bem por cá que não tenho sentido necessidade de voltar à terra ou de nela pensar, mesmo que há sete meses que lá não vá.

Mas por muito tempo que viva na Polónia, por muito ar polaco que respire, por muitas palavras polacas que profira, por muitas mulheres polacas com que durma, por muitas vodcas polacas que beba, por muitos relvados polacos que pise, por muitos cidadãos polacos que eu ensine, por muita rua polaca que percorra, por muita neve polaca que sacuda do carro, corre e sempre correrá nesta minha aorta sangue português e de estirpe algarvia. Nesse tipo de sangue o bicho saudade faz o seu habitat natural e não há nenhum antídoto contra esse malvado. Por esse motivo, depois de ter encontrado um lugar no centro da Cidade Capital que serve galões praticamente iguais aos galões que eu bebia na pastelaria Bijou com o meu avô Luís, provavelmente o único benfiquista que eu consegui(ria) amar, este vosso escriba sentou-se à mesa e enquanto sorvia o café com leite recordou o seu terno e divertido avô, bigode à Errol Flynn, infalível com a bica depois de almoço na esplanada d'O Seu Café, notável músico e campeão regional de xadrez, batoteiro incorrigível no dominó e mestre das sopas de batata doce e frade, ficando trancado em casa de azia quando o Glorioso perdia (a minha avó não me deixou entrar em casa no dia dos 7-1, 'vai-te embora que o teu avô tá de beiço') mas garantido na visita à farmácia onde o neto sportinguista trabalhava caso o clube da Luz vencesse, certo que foi ele que me conduziu até esta cafetaria para que eu voltasse a sentir o bicho a morder, se calhar para que me lembrasse dele, de Faro e de todos os que não tenho perto de mim mas que de mim fazem parte inseparável.

E que estarão sempre comigo, nem que seja quando me voltar a sentar aqui para beber um galão.

1 comentário:

Pedro Sousa disse...

Sinto exactamente o mesmo.
O vôo onde normalmente vou a Portugal chega a Lisboa às 11 da noite. E antes de chegar a casa tenho sempre um ritual: Passo por uma pastelaria onde fazem bolos durante a noite para distribuir para cafés, e como uma bola de berlim ou um pastel de nata quentinho. Depois de uns meses é como que o ritual de mais um regresso temporário à base!